Dicas

quinta-feira, 30 de outubro de 2008

Como se Faz?

Às vezes, é tão engraçado, eu sou sua. Você é meu, todinho meu, e de vez enquando não somos mais que estranhos. Quando brigamos, eu só quero sair de sua frente. Você quer que eu fique e te escute. Ponho as mãos nos ouvidos e mordo os lábios.
-Ele vai calar a boa, logo, espero.
Reclamar é fácil já que não somos perfeitos. Eu gosto de Icehouse e você de metal. Pequenas coisas como queijo e pão. Mas na cama tudo se resolve, uma hora, duas uma noite, um mês, um ano. Queremos mais, pois somos quase iguais.
Quando tudo quebrar me lembre de te dizer que foi que desistiu.
Não seja chato, tudo muda, mas o beijo pode permanecer em sua boca, meu abraço em sua pele. Mas minha presença não vai durar tanto.
Não reclame, eu não quero ouvir que sou tudo que desaprova e ama.
Deixa pra lá! Vamos do começo como bonecos dançando uma melodia conhecida, insistindo porque deve ser bom para alguém.
Para você, para mim? Eu só preciso de você e quando murmura; - Eu te amo. Tudo pode ruir, mas eu vou colar. Você me ajuda e tudo parecer igual, mas tudo mudou, pois é assim que continuamos,é assim que se faz.




3 comentários:

Rafael Guerra disse...

nossa... adorei...
é realmente incrivel como essas relações mais "conturbadas" são as que nos atraem... as q mais nos entregamos... e é claro, as que mais machucam tambem....^^

Bruna Toledo disse...

São as mais violentas! Hahaha
É delicioso uma relação dessa, quando vose sabe que está perdendo parte de si, mas pouco liga. Do que eu to falando? Nunca tive uma relação assim mesmo. Me ingnorem D:

Rafael Guerra disse...

hahahah mas é bem isso mesmo... acho que o fato de termos sempre que refazer as coisas mantem o sentimento vivo...